Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A verdade da mentira

por Eduardo Louro, em 30.07.13

Ouve-se nas notícias que o ex-ministro Vítor Gaspar defendeu hoje a sua sucessora no Parlamento. Olha-se para aqui e não é isso que se percebe. A não ser que, como por aí se pretende, o que esteja em causa seja outra coisa que não o facto de a ministra ter mentido ao Parlamento.

É que, o que Vítor Gaspar disse, foi mesmo que a ministra Maria Luís Albuquerque mentiu!

Autoria e outros dados (tags, etc)

O mito da credibilidade externa

por Eduardo Louro, em 25.06.13

Juros da dívida portuguesa à beira dos 7%. Lembram-se de Teixeira dos Santos, há quase três anos, avisar que esse seria o tecto da resistência?

Não? Aqui vai uma ajuda

Pois é. Há três anos Teixeira dos Santos declarava que a taxa de juro de 7% seria o limiar a partir do qual o país teria de chamar o FMI. O país não conseguia suportar taxas de juro dessa ordem. Foi imprudência, claro. Os mercados especulativos ficavam na altura a saber que poderiam esticar até aí ...

Este governo tem falhado tudo o que havia para falhar, como estamos fartos de saber e já ninguém consegue negar. Temos no entanto visto que aquele pequeno grupo de pessoas que, na esfera dos dois partidos que suportam o governo, ainda defende esta governação socorre-se, para isso, de um único argumento: o da credibilidade externa. Esse escasso número de apoiantes deste governo agarra-se ao único mérito que lhe reconhece:  a recuperação da credibilidade junto dos credores. E invariavelmente recorrem logo a seguir a um argumento que, por muito repetido, dão por certo e verdadeiro:"como se prova pela descida dos juros"!

É verdade: a taxa de juro que há pouco mais de dois anos era dramaticamente insustentável é hoje a única coisa que os apoiantes deste governo têm para lhe creditar!

O resgate da credibilidade internacional não passa de um mito. É sabido que uma mentira muitas vezes repetida passa a verdade. Mas a máquina de propaganda do governo faz mais: mais do que uma simples verdade, faz da mentira muitas vezes repetidas um mito! 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Diz-me, espelho meu...

por julieta-ferreira, em 23.08.11
Pedimos que nos digam a verdade. Credo! Não há por aí quem fale verdade? A verdade sem tirar nem pôr. A pura verdade, nua e crua. A verdade, verdadinha. Sem desvios, sem poetizações, sem rendilhados, sem cosméticos, sem silicones, sem tudo aquilo que a transforma numa reles impostura! Há um dia em que, finalmente, a verdade nos olha de frente, sem cerimónia ou convite. Assim, de rompante, quando menos esperamos e quando as nossas bem treinadas defesas felinas ficaram a hibernar. É nessa altura que preferiríamos nunca a ter chamado e a nossa resposta é de choque e negação. Querem lá ver? Que desaforo, que afronta! Logo ali, munidos da bagagem que fomos armazenando pela vida, arranjamos nomes pomposos para classificar quem nos traz a verdade ainda fresquinha e crocante como os pastéis de Belém que, entenda-se, são os verdadeiros pastéis de nata. Pois então! Chamamos-lhes socialmente desajustados, psiquicamente desalinhados, falhos do mínimo decoro dentro das regras instituídas, egocêntricos e individualistas, néscios e loucos, possivelmente padecentes de um desses síndromes modernos que têm a ver com uma esquisita patologia. Depois do embate doloroso e indigno com a verdade, continuamos confortavelmente submersos nas águas turvas e pantanosas do engano e, de vez em quando, olhamo-nos ao espelho, esperando que ele nos devolva a imagem projectada da nossa verdade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A tirada da semana

por João António, em 13.03.10

" Se Sócrates mentiu, nem acho que seja muito grave"
                                        Inês de Medeiros

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ora cá estou eu...

por Nuno Raimundo, em 22.03.09

Boas..

Cá estou eu para dar o meu contributo neste espaço de Verdade e Liberdade.

Mas hoje apenas "falarei" de Verdade.

(A Liberdade não a abordo, porque é uma condição necessária ao Homem).

 

Não existe apenas uma verdade ou a Verdade. Existem várias.

As em que acreditamos e aquelas em que não nos revemos.

 

Por isso peço a Vossa colaboração no debate das mesmas, nas em que Vocês acreditarão e confiarão e mesmo até naquelas em que não se revejam ou pactuem.

É no debate  e na troca salutar de ideias que o Homem progride como Ser Humano e Ser Pensante.

Não esperem de mim longos e/ou enfadonhos  textos, mas apenas o "comprimento" necessário" para suscitar o seu debate.

 

Sendo assim, deixo já um abraço a quem me convidou e outro para quem me há-de ler e/ou comentar...

 

Abraços!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)