Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mas

por Eduardo Louro, em 28.06.13

Tenho enorme dificuldade em perceber por que é que as pessoas se não limitam a concordar ou a discordar da greve, a fazer ou não fazer greve, conforme a sua vontade e as suas possibilidades. Por que é que haverão de passar daí? E por que é que ainda acham que têm legitimidade para passar daí?

Se calhar é culpa de um mas que anda por aí: é que a greve é um direito. Inalienável, sagrado, inquestionável... Mas...É deste mas!

Não tem que haver mas. A não ser este: mas não tenho grande dificuldade em perceber que a democracia portuguesa se esteja a transformar numa miragem. Ou numa memória perdida. Que sociedade portuguesa esteja cada vez menos tolerante. Cada vez mais dividida... Cada vez mais próxima da rotura...

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

Imagem de perfil

De Nuno Raimundo a 28.06.2013 às 15:43

Para muitos, o direito à greve é comparável áqueles bibelots que temos, muito bonitos e tal, mas que colocamos nos topos daquelas prateleiras altas, num local quase inacessivél...
Dito isto, digo mais, para que serve se ter direito a fazer greve (obviamente como último recurso) se não se pode vivenciar a mesma?
É claro que uma greve transtorna, mas transtorna ainda mais aqueles que tiveram de recorrer à dita, pois ainda para exercer esse seu "direito" ainda tiveram de pagar... pagaram com um dia de salário que não vão receber!
Assim dá para perceber que uma greve não pode nem deve ser feita de ânimo leve...
Imagem de perfil

De Eduardo Louro a 28.06.2013 às 15:45

Claro, Nuno. Sem mas nem meios mas...

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.