Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Divagações Abrilinas (10)

por Cristina Torrão, em 06.06.13

- Então, agora, soltam-se assim os presos, sem mais nem menos?

Para a mãe da Vera, uma prisão era uma prisão, um local onde se mantinham os criminosos, impedindo-os de molestarem as pessoas de bem. Não sabia distinguir prisões convencionais das políticas, onde se encarceravam pessoas, cujo único «crime» fora lutar contra a ditadura.

Também o pai foi atacado por um certo receio. Embora explicasse que aquela gente estava presa por ter contestado o regime, perguntava-se, igualmente, se, no meio deles, não estariam outro tipo de criminosos. Principalmente, os comunistas assumidos causavam-lhe medo.

A pequena Vera, porém, foi tomada por uma espécie de deslumbre, perante as imagens de pessoas a serem recebidas por familiares e amigos, com abraços tão sentidos, expressando tanta alegria. Não lhe parecia importante saber de que gente se tratava. Encantava-a a maneira como manifestavam o amor, ou a amizade, que os unia, extravagâncias que não se usavam em sua casa.

Sentiu inveja! Sentiu desejo de estar no meio daquela multidão. Sentiu vontade de surgir e de ter pessoas à sua espera, que a abraçassem com o mesmo calor. Eram sensações que mal conhecia. Perguntava-se como podiam os seus pais desdenharem de tais manifestações de alegria.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

Comentar post