Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Um teste ao respeito por nós próprios

por Eduardo Louro, em 27.07.15

 

 

Passos Coelho é capaz de tudo. É até capaz de chegar à Madeira e bater todos os recordes de aldrabice de Alberto João Jardim... Capaz de fazer do primeiro Chão da Lagoa sem Jardim, o mais charlatão de todos os Chão da Lagoa. 

Podemos dizer que esta gente perdeu o último pingo de vergonha. Podemos dizer que nunca ninguém foi tão longe no descaramento. Podemos indignar-nos com a falta de respeito pela nossa inteligência. Podemos ficarmo-nos pelo simples "é preciso ter lata"...

Mas também podemos achar que isto é apenas um teste ao respeito que temos por nós próprios... Com resultados a conhecer lá para 4 de Outubro!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Por um punhado de votos...

por Eduardo Louro, em 12.05.15

 aqui tinha tocado no tema - como gritante exemplo de falta de vergonha - da doença da mulher do primeiro-ministro, que saltou da privacidade para a publicidade. Em toda a plenitude da palavra, no duplo sentido de tornar público e de forma de propaganda.

Hoje o Pedro Tadeu, no Diário de Notícias, encara-o de frente. O título que dá à crónica pode ser violento, mas diz tudo: "O cancro da mulher de Passos é propaganda?"

Choca. Mas não é isto chocante? Não é chocante que tudo se traia, e nada se respeite, em troca de um punhado de votos?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Outros regressos

por Eduardo Louro, em 01.05.15

 

Estamos claramente em maré de regressos. Até Dias Loureiro regressou às primeiras filas, pela mão de Passos Coelho... Aconteceu ontem, na sua terra natal. Em Aguiar da Beira, onde o chefe do governo não poupou nos elogios a tão distinto filho da terra: "Conheceu mundo, é um empresário bem-sucedido, viu muitas coisas por este mundo fora e sabe, como algumas pessoas em Portugal sabem também, que se nós queremos vencer na vida, se queremos ter uma economia desenvolvida, pujante, temos de ser exigentes, metódicos", afirmou.

Mais dia menos dia tudo regressa. Só a vergonha não regressa a esta gente. Nunca lá esteve, nunca poderá regressar... É também por isso que Dias Loureiro continua por aí... Também não pode regressar à prisão. Já Passos Coelho pode muito bem regressar ao raio que o parta. Só não pode regressar á Tecnoforma. Já faliu!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Que descaramento!

por Eduardo Louro, em 07.10.13

O país vive um embuste sem paralelo na sua História. A mentira e a falta de vergonha instalaram-se há muito em Portugal e não tencionam deixar-nos.

É um presidente que está calado quando deve falar e que, quando fala, diz despudoradamente tudo e o seu contrário. É um primeiro-ministro que sabe que não há como fugir de novo resgate mas que o usa como ameaça a torto e a direito. Fosse na campanha eleitoral autárquica, como forma de chantagear e amedrontar o eleitorado, seja logo depois para pressionar o Tribunal Constitucional e todo o país. É um vice primeiro-ministro sem ponta de vergonha e de sentido de responsabilidade, de quem se espera o célebre Relatório sobre a reforma do Estado desde Fevereiro. Que traça linhas vermelhas que apaga tão rapidamente quanto torna reversível o que era irreversível. Tão rapidamente quanto é desmentido tudo o que anuncia, tão rapidamente quanto se tornam pesadelos as boas notícias que faz questão de dar.

É o desplante com que se criam e introduzem factos novos como se de realidades dogmáticas se tratasse. Como se fossem coisas há muito absorvidas e consensualizadas na sociedade portuguesa, quando não passam ou de verdades criminosamente escondidas ou de mentiras não menos criminosamente arquitectadas.

Neste fim-de-semana, antes de anunciados os negados novos cortes em pensões, o país ficou a saber que estará sujeito ao controlo e à supervisão dos credores enquanto não forem pagos 2/3 da dívida. Mas isto foi dito en passant, uma, duas, três vezes, como qualquer coisa que estaríamos fartos de saber. Pior: como qualquer coisa normal, como se pagar 2/3 da dívida seja uma coisa que esteja nas nossas mãos ali ao virar da esquina, qualquer coisa objectivável para os próximos cinco ou dez anos.

Para justificar a tributação das pensões de sobrevivência, ouvimos o ministro Pedro Mota Soares, com o maior dos desplantes, perguntar aos jornalistas que o rodeavam se achavam normal que quem tem uma pensão de 5 mil euros acumule com outra idêntica do falecido cônjuge…

É preciso ter lata. Lata para o embuste e a aldrabice, mas mais: lata para não terem vergonha de brincar connosco desta maneira.

Que descaramento!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Que gentinha, esta...

por Eduardo Louro, em 04.10.13

O Ministro dos Negócios Estrangeiros (MNE) pediu desculpa – desculpa diplomática – às entidades angolanas pelas investigações da Justiça portuguesa a altas figuras do regime. E disse-lhes que estivessem tranquilos, que soube pela Procuradora Geral da República (PGR) que nenhuma situação é grave.

Joana Marques Vidal, a PGR, desmente e lembra que Portugal é um Estado de Direito, onde há separação de poderes.

O Primeiro-Ministro é interpelado sobre o caso no Parlamento mas ignora-o, acha que não tem nada que responder.

Na SIC Notícias, há momentos, a deputada e vice-presidente do PSD, Teresa Leal Coelho, que já vimos que é mulher para tudo o que seja disparate, e que não sabe o que é vergonha, nega a evidência e tem lata para, perante o registo das declarações, dizer que o ministro não está a dizer aquilo que está a dizer. Perplexo, o Mário Crespo - até o Mário Crespo, vejam bem - volta a passar as declarações, para que ela se não enterre mais. Imperturbável, a senhora deputada volta a repetir que o ministro não está a dizer aquilo que continuamos a ouvi-lo dizer.

Rui Machete soma e segue e continua MNE... Porque isto é Portugal, hoje e agora!

Que gentinha, esta ...

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Algumas questões que devemos relembrar . . .

por João António, em 22.08.13

Para quando uma investigação séria e aprofundada ao tema dos incêndios ?

A quem interessa a quantidade de área ardida e as milhares de arvores queimadas ?

Porque será que a maioria dos incêndios são nas mesmas zonas geográficas todos os anos ?

Não será tempo de acabar com esta situação, e com a vergonha de a mesma levar à perca de vidas humanas ?

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Em Paris...

por Eduardo Louro, em 14.05.13

Depois do FMI, agora que já ninguém se lembra do que foi o seu Relatório, das boas às más propostas, chegou a vez da OCDE. Com o mesmo destino: primeiro pôr a mão por baixo das medidas que o governo anuncia e, depois, seguir para o caixote do lixo!

Neste Relatório a OCDE quer acabar com tudo. Com tudo menos com o que realmente nos aflige. Mas alegremo-nos: o défice para este ano deverá ficar nos 5,5% e já se prevê crescimento económico … para 2020!

Tudo isto dito em Paris. É verdade, um Relatório encomendado pelo governo português e sobre Portugal, é apresentado com pompa e circunstância  em ... Paris. Com a presença do primeiro-ministro. Sem ponta de vergonha, evidentemente!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Reformas:umas e outras*

por Eduardo Louro, em 11.05.13

No país em que as duas primeiras figuras do Estado são pensionistas, preferem receber a pensão - ou as pensões - de reforma em vez de salário,  onde a segunda figura do Estado se reformou aos 40 anos, há um governo que, nas palavras da insuspeita Manuela Ferreira Leite, persegue e é cruel com os reformados. Como uns reformados!

O governo que corta e tributa pensões de reforma como se não houvesse amanhã, que confisca pensões a quem para elas contribuiu durante uma vida, nem que para isso passe por cima da Constituição, é o mesmo governo que recusou a proposta do FMI para limitar as pensões altas – aquelas que bem se sabe de onde vêm e para onde vão - a um tecto de 5.030 euros mensais. Que pouparia qualquer coisa como 200 milhões de euros. Mas que, mais que isso, pouparia o governo à vergonha que, de todo, não tem!

 

 

* Também aqui

Autoria e outros dados (tags, etc)

As leis laborais

por Daniel João Santos, em 02.07.10

Depois de ler que Fernando Vara se demitiu dos cargos que ocupava no BCP, modestos lugares de administrador e vice-presidente, fico a saber que naquele Banco as leis laborais são diferentes do normal. Armando Vara apresenta a demissão e leva para casa a quantia correspondente à que lhe seria devida até ao termo normal do mandato em curso.

 

Resumindo, vou tratar de fechar a minha conta no BCP.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A tia do Louçã é famosa . . .

por João António, em 16.04.10

Autoria e outros dados (tags, etc)